fbpx

A COMPLEXO ANTÔNIMO DACEREJA DO BOLO

Tem­po esti­ma­do de lei­tu­ra : 9 min

Quan­do algu­ma coi­sa atin­ge deter­mi­na­do grau de exce­lên­cia pas­sa a poder ser deno­mi­na­do de “A Cere­ja do Bolo”.
Este não é um tex­to fit­ness e é plau­sí­vel ima­gi­nar­mos que na fatia do bolo mais deli­ci­o­so e com a cober­tu­ra mais dese­já­vel e per­fei­ta este­ja, lá no alto, ruti­lan­do em sua ver­me­lhi­dão trans­lú­ci­da, a cere­ja mais per­fei­ta e sabo­ro­sa do sécu­lo se equi­li­bran­do como uma joia pre­ci­o­sa : cul­ti­va­da com todo o cari­nho e recur­sos pos­sí­veis, colhi­da no momen­to exa­to da matu­ra­ção e pos­ta ali para coro­ar todo um tra­ba­lho­so pro­ces­so culi­ná­rio !
Ela, a cere­ja, não pre­ci­sa fazer nada, pois sua sim­ples exis­tên­cia já é sufi­ci­en­te para abri­lhan­tar o ambi­en­te a seu redor e, sem dúvi­da, tor­ná-la desejada.

Não sei se esse adje­ti­vo, “cere­ja do bolo”, é exclu­si­vo do Bra­sil, mas devem haver equi­va­len­tes inter­na­ci­o­nais para desig­nar a exce­lên­cia à qual estou ten­tan­do me refe­rir.
A ques­tão é que ontem, após tomar conhe­ci­men­to de um fato abso­lu­ta­men­te idi­o­ta e absur­do, vie­ram a meu conhe­ci­men­to os des­do­bra­men­tos do epi­só­dio, espe­ci­al­men­te nas redes soci­ais, e achei coi­sa dig­na de ser clas­si­fi­ca­da como o pon­to extre­mo — se fos­se bom cha­ma­ria de “ápi­ce”, mas, como é ruim, não encon­trei um antô­ni­mo de uma pala­vra que pudes­se defi­nir exa­ta­men­te o tama­nho — da degra­da­ção… então pen­sei nes­sa “cere­ja” e come­cei a ima­gi­nar o que pode­ria figu­rar como uma antí­te­se para ela.

Só para cons­tar, pen­sei em coi­sas como “a lar­va na diar­reia”, “a ber­ne das excre­cên­ci­as” ou “o bichi­nho da mer­da”, mas, meio ter­mo, aca­bei esco­lhen­do o títu­lo des­se tex­to e duran­te a noi­te oca­si­o­nal­men­te pen­sa­va em alguns de seus atributos :

É abso­lu­ta­men­te inde­se­já­vel e, não bas­tas­se o pró­prio ambi­en­te pútri­do no qual habi­ta, está ali por ter sido sor­ra­tei­ra­men­te infil­tra­do ou inad­ver­ti­da­men­te tra­ga­do
É imper­cep­tí­vel e des­ti­na­do aos sani­tá­ri­os — des­car­gas ou ater­ros — se ficar imó­vel nun­ca terá sua exis­tên­cia reco­nhe­ci­da : pre­ci­sa se mover, fazer baru­lho e coi­sas estra­nhas para con­se­guir apa­re­cer.
A ação prin­ci­pal de sua sór­di­da exis­tên­cia é indi­car con­di­ções como doen­ça, putre­fa­ção ou mor­te.

Quan­do con­se­gui­mos vin­cu­lar seres huma­nos a este lamen­tá­vel ter­mo, vamos encon­trar pes­so­as sem cons­ci­ên­cia de sua con­di­ção abje­ta e — sem noções car­te­si­a­nas — lutan­do para con­se­guir um valor de “y” cada vez mai­or, mes­mo que nega­ti­vo e cren­do que atra­vés de sua mili­tân­cia aguer­ri­da atin­gi­ra o sta­tus de “cere­ja do bolo”…e for­ça­rá toda a soci­e­da­de a ENGOLIR sua podridão!!!

UM EXEMPLO

A segre­ga­ção raci­al cri­a­da atra­vés do pre­tex­to ver­me­lho de “igual­da­de” já é a pró­pria maté­ria fecal, porém o ter­mo “apro­pri­a­ção cul­tu­ral” indi­ca que a coi­sa toda já está apo­dre­ci­da… os “ver­mes dos deje­tos” nes­se caso são as pes­so­as que, sen­do negras, recen­te­men­te clas­si­fi­ca­ram o uso de tur­ban­te — obje­to cuja ori­gem é ori­en­tal, lá para os lados dos indi­a­nos, muçul­ma­nos e ára­bes — por uma pes­soa bran­ca (e care­ca devi­do a um cân­cer) de “apro­pri­a­ção cul­tu­ral inde­vi­da”!!!
Ora bolas!!! Se nem dos negros — e eu sou negro, só para cons­tar — o tre­co é inven­ção, esses espas­mos pre­me­di­ta­dos de indig­na­ção simu­la­da ser­vem ape­nas como pro­va de que não há vida inte­li­gen­te nes­ses pro­tes­tos, ape­nas VERMES DOS DEJETOS que gos­tam de viver nas fezes (segre­ga­ção raci­al) e que, lan­çan­do mão de toda a sua igno­rân­cia, ima­gi­nam que podem che­gar a ser a “cere­ja do bolo”… só que o “y” deles tem sinal inver­ti­do e con­duz, a eles e toda a soci­e­da­de que engo­le essa con­ver­si­nha poli­ti­ca­men­te cor­re­ta, bem além do fun­do do poço.
Aliás, como se pode falar em “mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo” (outra mas­sa fecal… bem fedi­da!) e em “apro­pri­a­ção cul­tu­ral inde­vi­da” ao mes­mo tempo???

Sin­ta-se a von­ta­de para citar mais exem­plos nos comen­tá­ri­os (que por sinal serão mode­ra­dos e, espe­ro, até res­pon­di­dos por mim), pois estou cer­to de que exem­plos não faltam.

Obri­ga­do pela atenção.

Me dá um “joi­nha”?
Gos­tou ? Me aju­de compartilhando…

Geovane Souza

Já fiz e faço tantas coisas que só criando um site para concentrar e apresentar essa variedade.

>
Creative Commons License
Except where otherwise noted, GeovaneSou, Eu Mesmo by Geovane Souza is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.