fbpx

A TRISTE HISTÓRIA DO CASAMENTO QUE NUNCA VOU PODER CELEBRAR

Tem­po esti­ma­do de lei­tu­ra : 6 min

Esse vídeo foi fei­to num momen­to total­men­te para­do­xal : con­tra­ta­do des­de feve­rei­ro para rea­li­zar esta cele­bra­ção bilín­gue abor­dan­do o amor e a ale­gria enquan­to, por den­tro… esta­va com­ple­ta­men­te quebrado.

Sem dúvi­da, esse foi um dos tra­ba­lhos mais difí­ceis de toda a minha vida e nun­ca, nun­ca mes­mo, pre­ci­sei ser tão pro­fis­si­o­nal : com o cora­ção de luto pela mor­te de uma ami­ga cujo gran­de sonho na vida era jus­ta­men­te casar, cri­ar um rotei­ro român­ti­co e ain­da inter­pre­tá-lo dian­te de uma pla­teia inter­na­ci­o­nal… foi um gran­de desafio.

Ter­mi­nei a cele­bra­ção exaus­to, com a sen­sa­ção de ter fei­to um gran­de esfor­ço físi­co e numa ambi­gui­da­de emo­ci­o­nal sem igual, pois ao mes­mo tem­po que sen­tia orgu­lho de mim mes­mo por ter con­se­gui­do atu­ar com per­fei­ção, sen­tia tama­nha tris­te­za que pre­fe­ri ficar sen­ta­do num ban­co, do lado de fora de onde esta­va ocor­ren­do a festa.

Fiquei repa­ran­do nas pes­so­as : na ale­gria dos con­vi­da­dos, no esfor­ço dos tra­ba­lha­do­res… e ten­tan­do pen­sar em algu­ma coi­sa que pudes­se fazer para home­na­ge­ar a ami­ga a quem havia pro­me­ti­do cele­brar o casa­men­to, quan­do e onde quer que fos­se !
De repen­te, pres­to aten­ção ao tra­ba­lho de fil­ma­gem e repa­ro um esta­bi­li­za­dor de ima­gem que me dei­xou impres­si­o­na­do e, cla­ro, já ini­ci­an­do o impro­vi­so de um rotei­ro que fos­se uma home­na­gem, mas que tives­se rele­vân­cia ao con­tex­to da depressão.

CONTEXTO

Antes que se pen­se algu­ma bes­tei­ra, sou cris­tão e atuo numa linha de fé bas­tan­te “fora da cai­xi­nha” des­de 2005.
Nes­se tem­po já pude expe­ri­men­tar mui­tas for­mas de estu­do e con­ví­vio, conhe­cer mui­ta gen­te boa – e mui­ta gen­te pés­si­ma tam­bém. Gen­te tão sór­di­da que, por fofo­ca, aca­bou com um gru­po onde, por con­ver­sa vir­tu­al e estu­dos bíbli­cos nos apoiá­va­mos mutu­a­men­te, no Bra­sil e no mun­do, nos desa­fi­os e nos pro­ble­mas.
Cla­ris­se era meio que minha “filha”… eu sem­pre ten­tei dar apoio à dis­tân­cia, espe­ci­al­men­te por­que o mal dela, a depres­são, foi algo que con­se­gui superar.

Não pre­ten­do escre­ver um tex­to tão lon­go e vou ape­nas apre­sen­tar mais duas ima­gens, ambas que regis­trei pos­te­ri­or­men­te a seu fale­ci­men­to : uma, envi­a­da por uma ami­go comum, que com­pro­va a nobre­za do sen­ti­men­to que nos unia e outra, que me reve­lou coi­sas sobre ela com as quais nun­ca havia me preocupado.

QUANDO VICAMERAMAN

Me veio todo o con­cei­to do vídeo que, por sinal, tive que “arre­don­dar” acres­cen­tan­do legen­das que com­ple­men­tam o que não con­si­go efe­ti­va­men­te dizer : vou falan­do tudo de cabe­ça, sem sequer ter escri­to um rotei­ro… é uma ten­ta­ti­va deses­pe­ra­da de home­na­ge­ar uma ami­ga que par­tiu e, aci­ma de tudo, um tri­bu­to à vida, pois ten­to apre­sen­tar um cami­nho de auxí­lio a todos os que estão pas­san­do por difi­cul­da­des semelhantes.

Por fim, por mais casa­men­tos que eu já hou­ves­se cele­bra­do até então, esse foi um momen­to “divi­sor de águas” onde, após supe­rá-lo com suces­so, tive a cer­te­za de que estou mais do que habi­li­ta­do para atu­ar como cele­bran­te de qual­quer matrimô­nio.
Só então deci­di cri­ar um Ins­ta­gram e uma pági­na pro­fis­si­o­nal e apro­vei­to para con­vi­dá-los a seguir e cur­tir minhas publi­ca­ções… quem sabe não pos­sa ser eu o cele­bran­te de sua união ?

Me dá um “joi­nha”?
Gos­tou ? Me aju­de compartilhando…

Geovane Souza

Já fiz e faço tantas coisas que só criando um site para concentrar e apresentar essa variedade.

>
Creative Commons License
Except where otherwise noted, GeovaneSou, Eu Mesmo by Geovane Souza is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.