fbpx

NECESSIDADE DE EXPRESSÃO : UM RELATO DE COMO CHEGUEI AO WORDPRESS

Tem­po esti­ma­do de lei­tu­ra : 6 min

Há um tri­pé que sus­ten­ta a exis­tên­cia do homem : pro­fis­são, famí­lia e fé.
Hou­ve um tem­po em que a estru­tu­ra da famí­lia que cons­truí qua­se foi aba­la­da por con­ta da extre­ma pres­são psi­co­ló­gi­ca que esta­va sofren­do no âmbi­to pro­fis­si­o­nal e me sub­mer­giu em um trans­tor­no ansi­o­so depres­si­vo com even­tu­ais epi­só­di­os de sín­dro­me de pânico.

Pre­ten­do con­tar essa his­tó­ria deta­lha­da­men­te em bre­ve, mas no meio de tan­tos obs­tá­cu­los ain­da apa­re­ceu uma alma mise­rá­vel para levan­tar sus­pei­tas sobre algu­ma “bre­cha” em minha vida espi­ri­tu­al !
De que­bra, o impul­so ini­ci­al que tive atra­vés da lite­ra­tu­ra fic­ci­o­sa que afir­ma­va reve­lar segre­dos da cha­ma­da “bata­lha espi­ri­tu­al” me levou a semi­ná­ri­os, con­gres­sos, lei­tu­ra de mui­tos livros e, por fim, após mais de 30 anos esquen­tan­do o ban­co de uma igre­ja, a come­çar a ler a Bíblia por mim mesmo.

Lia enquan­to tra­ta­va a saú­de e aca­bei des­co­brin­do as ver­sões — na épo­ca 5, hoje temos mui­tas mais… infe­liz­men­te — e os tre­chos em con­fli­to, fato que me levou a, sozi­nho, enve­re­dar pelo apren­di­za­do de um mixu­ru­ca gre­go bási­co, mas sufi­ci­en­te para escla­re­cer alguns pon­tos “acin­zen­ta­dos” da teo­lo­gia que mui­tos líde­res fazem ques­tão de pre­ser­var obs­cu­ros ape­nas com pro­pó­si­to de domí­nio sobre a tur­ba igno­ran­te e eso­té­ri­ca…
Lia e escre­via, lia e per­gun­ta­va, lia e leva­va os assun­tos ao homem que cha­ma­va de “pas­tor” e con­si­de­ra­va como um pai, mas que, infe­liz­men­te, foi mudan­do a for­ma como me tra­ta­va con­for­me ia dei­xan­do de ter res­pos­tas satis­fa­tó­ri­as para minhas ques­tões : de “ques­ti­o­na­dor” virei “sober­bo” e, pou­co depois, “rebel­de”!
Foi um dos momen­tos mais para­do­xais de minha exis­tên­cia, pois ao mes­mo tem­po que minha fé em Deus cres­cia atra­vés do conhe­ci­men­to da Pala­vra, não só a igre­ja onde nas­ci come­ça­va a nau­fra­gar nas ondas do prag­ma­tis­mo e do mis­ti­cis­mo, mas pos­so dizer que toda uma era — a de Fila­dél­fia, para quem enten­de — esta­va che­gan­do a seu final e Lao­di­céia vinha se esta­be­le­cen­do com toda a força !

Então, no pri­mei­ro semes­tre de 2004, cheio de espe­ran­ças de que iria apa­re­cer algum cris­tão sábio apto a res­pon­der minhas incon­ve­ni­en­tes ques­tões com ampa­ro bíbli­co e de for­ma satis­fa­tó­ria, come­cei a publi­car tudo o que esta­va des­co­brin­do na inter­net, de cara lim­pa… todo ino­cen­te…
Menos de três meses depois che­gou o pri­mei­ro e‑mail anô­ni­mo dizen­do (mais ou menos, pelo que me lem­bro, isso):

Você gos­ta mes­mo de Deus, hein ?
Seus estu­dos estão inco­mo­dan­do mui­ta gen­te aqui na igre­ja e aba­lan­do a fé de quem sus­ten­ta o negó­cio : se não parar com isso pode ser que seja colo­ca­do mais cedo para con­ver­sar com Ele !

Não fiz caso des­sa ame­a­ça boba, pois era coi­sa bem impes­so­al.
Con­ti­nu­ei estu­dan­do e publi­can­do de uma for­ma febril, pois duran­te toda a minha vida tinha sido um evan­gé­li­co que ouvia falar as coi­sas, mas que, por mim mes­mo, pou­co conhe­cia : era um alí­vio liber­ta­dor ter conhe­ci­men­to para des­truir os infun­da­men­ta­dos gri­lhões mís­ti­cos que me escra­vi­za­vam… ter a cer­te­za de que nada acon­te­ce sem a per­mis­são do Senhor, até as doen­ças e a pró­pria mor­te !
Foi por essa épo­ca que per­di o medo de mor­rer — ain­da mais se fos­se pela melhor cau­sa para isso — e que­ria poder aju­dar ain­da mais pes­so­as atra­vés des­se conhe­ci­men­to : ain­da esta­va apren­den­do e me aper­fei­ço­an­do, mas aju­dei e fui aju­da­do por mui­ta gen­te “famo­sa” que come­çou nes­sa épo­ca
mas aí che­gou um outro e‑mail anô­ni­mo, mui­to pro­va­vel­men­te envi­a­do pela mes­ma pes­soa (ou gru­po) e bas­tan­te mais sério :

Esta­mos ven­do que é um ser­vo de Deus sem medo da mor­te, mas a revo­lu­ção que você e seus ami­gui­nhos estão fazen­do está cau­san­do pre­juí­zo aos dízi­mos e ofer­tas.
Sabe­mos que sua espo­sa se cha­ma fula­na e tra­ba­lha em tal lugar.
Sua pri­ma, sicra­na, é guar­da muni­ci­pal e anda de moto assim e assa­do…
Como você se sen­ti­ria se, por cau­sa da sua fé, algu­ma delas fos­se “aci­den­tal­men­te” envi­a­da dire­to para o colo de Deus ?
Eu, se fos­se você, tira­va esses tex­tos do ar para poder viver em paz.

Tirei.
Não paguei pra ver se era algum brin­ca­lhão, pois a cri­a­tu­ra sabia deta­lhes demais da minha vida para ficar arris­can­do… ain­da mais a vida de pes­so­as que nem pos­suíam o mes­mo conhe­ci­men­to da Ver­da­de que eu pró­prio ain­da esta­va ape­nas come­çan­do a des­co­brir !
Fiquei uns seis meses sumi­do e com todo aque­le mate­ri­al guar­da­do em dis­que­tes, sem saber o que faria.
A depres­são aper­tou e até ocor­re­ram alguns cons­tran­ge­do­res epi­só­di­os de pâni­co… o pior deles em um super­mer­ca­do lota­do.
Em janei­ro de 2005, meio que ape­nas como comen­ta­ris­ta de even­tos gos­pel, sur­giu o Teóphi­lo Notur­no… e esse pseudô­ni­mo tem todo um sig­ni­fi­ca­do cor­re­to e mara­vi­lho­so (que eu não vou expli­car aqui).

Há quem não creia em ação do Espí­ri­to San­to e diga que ces­sou todo o mover mira­cu­lo­so em nos­sa épo­ca e eu pró­prio res­sal­to, com frequên­cia e vee­mên­cia, que quem pre­ci­sa ver para crer é mal­di­to… mas come­çou a ocor­rer um ver­da­dei­ro mila­gre em minha vida devas­ta­da, pois se do tri­pé ori­gi­nal eu já per­de­ra a pro­fis­são e a reli­gião (não con­fun­dam com a fé!). Meu casa­men­to foi pre­ser­va­do e for­ta­le­ci­do pelo Senhor e, papel pri­mor­di­al do Espí­ri­to San­to, fui relem­bra­do da Pala­vra, rece­bi enten­di­men­to e, em agos­to de 2005, no momen­to em que fui para uma mesa de cirur­gia total­men­te dis­pos­to a não vol­tar… Ele me res­pon­deu com sua­vi­da­de.
O impac­to só veio na vira­da daque­le ano : uma con­fir­ma­ção tão assom­bro­sa que nem pude mais ten­tar esca­par do que fui cha­ma­do para fazer :

PENSOU SE VOCÊ CRIA UM LOGOTIPO EM JANEIRO
…E NO FINAL DO ANO ELE APARECE, NO ALTO DE UM MONTE, EXATINHO, TE OLHANDO ?

Nem vou ligar se vocês dis­se­rem que é só coin­ci­dên­cia e, inclu­si­ve, tirei fotos, pois o arre­pio e o temor que eu sen­ti quan­do vi esse sinal no alto do mor­ro de Tari­tu­ba são ines­que­cí­veis : eu sou, sim, o Teóphi­lo Notur­no e pro­va­vel­men­te um dia vá pagar o pre­ço por isso.

VEIOVIDA

Seguiu-se minha apo­sen­ta­do­ria (refor­ma) do ser­vi­ço mili­tar, meu envol­vi­men­to com todo tipo de fal­so cris­tão, os con­fli­tos decor­ren­tes, os deba­tes, as trai­ções…
Acho tão legal que Deus sem­pre me pre­ser­vou da sedu­ção pela fama… sem­pre me dei­xou ser tes­te­mu­nha das “ondas”: na últi­ma que par­ti­ci­pei, o fim veio duran­te uma ora­ção, quan­do o auto­pro­cla­ma­do líder dos pro­tes­tos dei­xou esca­par um “por­que um dia sere­mos nós a estar lá em cima des­ses car­ros de som”… e eu nun­ca mais quis ir segu­rar fai­xa de pro­tes­to, pois mes­mo não con­cor­dan­do com a comer­ci­a­li­za­ção do evan­ge­lho, tam­bém dis­cor­do inten­sa­men­te das mano­bras que os comu­nis­tas empre­gam para tomar ou com­par­ti­lhar o poder.

Revi­sar meus pró­pri­os tex­tos está sen­do uma opor­tu­ni­da­de de ouro para um reen­con­tro comi­go mes­mo, uma relem­bran­ça da sen­sa­ção de ago­nia dian­te de tan­tas des­co­ber­tas de, sem exa­ge­ro, nível bíbli­co e a enor­me ansi­e­da­de por estar ten­tan­do publi­car um volu­me tão gran­de de con­teú­do cho­can­te, capaz de trans­for­mar radi­cal­men­te a vida de quem les­se e com­pre­en­des­se…
Quan­tas noi­tes de sono per­di, rece­o­so de algu­ma rea­ção satanista ?

Ah se eu sou­bes­se que o pior ata­que que já rece­bi em toda minha vida ia par­tir do mai­or canas­trão evan­gé­li­co que já conhe­ci — Dani­lo Gar­ni­zeh — e de sua rodi­nha de pre­ten­sos inte­lec­tu­ais cris­tãos, for­ma­da para ten­tar de me des­mo­ra­li­zar atra­vés dos mais sór­di­dos ata­ques “ad homi­nem”… agra­de­ço a Deus por aqui­lo !
Sério !
Na épo­ca ain­da sofria mui­to por con­ta do trans­tor­no ansi­o­so depres­si­vo e pas­sei por vári­os epi­só­di­os onde a sín­dro­me do pâni­co qua­se me con­su­mia — cer­ta fei­ta minha pres­são san­guí­nea che­gou a impres­si­o­nan­tes 2316 ! — e todas aque­las acu­sa­ções me leva­ram a um pon­to onde, lite­ral­men­te, vis­lum­brei a mor­te : se não fos­se um AVC, pode­ria até con­si­de­rar um suicídio…

Acho que foi na oca­sião daque­le covar­de tea­tro de des­mo­ra­li­za­ção que per­di defi­ni­ti­va­men­te o receio de ser mor­to por cau­sa do Teóphi­lo, pois ali eles orques­tra­ram o assas­si­na­to de minha repu­ta­ção dian­te de toda soci­e­da­de que, ape­sar de vir­tu­al, até então tinha ele­va­dís­si­ma impor­tân­cia para mim !
Não se abor­da­ram meus tex­tos, nem hou­ve refu­ta­ção bíbli­ca algu­ma, ape­nas ata­ques a minha pes­soa, ou seja, uma iden­ti­da­de que até então me esfor­ça­va bas­tan­te para man­ter iso­la­da do “minis­té­rio”.
Ali eu ganhei enten­di­men­to, per­sis­tên­cia e capa­ci­da­de de pros­se­guir… mes­mo que sozi­nho.
Ali foi a pri­mei­ra vez em que tes­te­mu­nhei gen­te ale­gan­do ser do “evan­ge­lho puro e sim­ples”, mas lan­çan­do mão de mei­os tão imun­dos quan­to os da polí­ti­ca ou das deno­mi­na­ções esta­be­le­ci­das para alcan­çar algu­mas ras­pas de lide­ran­ça, fama ou lucro.
Nem os sata­nis­tas foram tão sórdidos !

Reler meus pró­prio mate­ri­al após mais de uma déca­da tam­bém está me per­mi­tin­do reco­nhe­cer as falhas que come­tia : não ape­nas as gra­ma­ti­cais, mas par­ti­cu­lar­men­te a mania de inse­rir infor­ma­ções de minha vida pes­so­al no meio de tex­tos cujo con­teú­do pode­ria até ser de rele­vân­cia glo­bal, mas aca­ba­vam pre­ju­di­ca­dos pela inser­ção da peque­nez de minhas agru­ras ínti­mas.
Reco­nhe­ço ago­ra que essa arro­gân­cia de que­rer me inse­rir como per­so­na­gem da tra­ma pro­fé­ti­ca uni­ver­sal — e prin­ci­pal­men­te o medo de sata­nis­tas — foi influên­cia, um resquí­cio, das lei­tu­ra das obras malé­fi­cas de gen­te como Dani­el Mas­tral, Neu­za Iti­o­ka, Rebec­ca Brown…
Não sou capaz de men­su­rar o quan­to enga­no esses detur­pa­do­res da Pala­vra ain­da podem estar propagando…

Ain­da sobre essa relei­tu­ra de minhas pró­pri­as publi­ca­ções, vou cons­ta­tan­do que as afli­ções daque­la épo­ca eram bas­tan­te dife­ren­tes — para não dizer até “mais fáceis” — das que tenho enfren­ta­do atu­al­men­te : a úni­ca que per­du­ra é a escas­sez de recur­sos… essa é cum­pri­men­to pro­fé­ti­co do que dis­se o pró­prio Senhor Jesus Cristo !

…no mun­do tereis afli­ções, mas ten­de bom âni­mo, eu ven­ci o mundo.

(João 16:33b)

A che­ga­da dos filhos me dei­xou tão sem recur­sos que até per­di meu domí­nio ori­gi­nal que, para evi­tar pro­pa­gan­da des­ne­ces­sá­ria, nem vou men­ci­o­nar aqui.

Como me sen­tia no medium​.com

Há mui­ta his­tó­ria, mui­to apren­di­za­do que acon­te­ceu nes­se tem­po e pen­den­te de regis­tro e no pri­mei­ro semes­tre des­se ano ten­tei imple­men­tar algu­ma coi­sa mais dinâ­mi­ca atra­vés de uma “revis­ta”, Teóphi­lo Des­pre­ten­si­o­so, lá no Medium, mas… o tro­ço é mui­to cheio das restrições :

  • Tem que ser fun­do branco ;
  • Não pode ali­nhar ima­gem à direita ;
  • Não pode colo­car a ima­gem como fun­do do títu­lo de uma postagem ;
  • Não pode jus­ti­fi­car ou ali­nhar o tex­to à direita ;
  • Não pode mudar a cor do texto ;
  • Não pode pedir cli­ques nem curtidas ;
  • Não pode ir além de 5 míse­ras tags por texto ;
  • Não pode adi­ci­o­nar widgets ;
  • Nem uma edi­ção de CSS eles permitem !

Enfim, pare­ce aque­le esno­be cheio de fres­cu­ra que faz cara de noji­nho e, no final das con­tas, aca­ba ten­do um alcan­ce total­men­te inex­pres­si­vo, espe­ci­al­men­te no Brasil.

E, no dia 04 de novem­bro de 2018, de súbi­to come­cei a sen­tir uma gran­de pres­são em meus ouvi­dos e os sons foram desa­pa­re­cen­do : minha sur­dez mode­ra­da degra­dou para pro­fun­da e eu, mes­mo ain­da não sen­do capaz de pron­ta­men­te dar gra­ças a Deus por isso, estou tri­lhan­do o cami­nho do esfor­ço e do bom âni­mo.
Sofri sin­to­mas e dores, mas a bus­ca por um diag­nós­ti­co da cau­sa foi incon­clu­si­va e tenho apro­vei­ta­do para com­par­ti­lhar as expe­ri­ên­ci­as nes­sa nova con­di­ção com meus lei­to­res (e espec­ta­do­res às vezes, pois resis­to a usar recur­sos de víde­os pelo gran­de tra­ba­lho adi­ci­o­nal de, para aten­der aos sur­dos como eu, pro­du­zir legendas).

Quem não pre­ci­sa de dinhei­ro ?
Eu pre­ci­so e esse novo grau de sur­dez me res­trin­giu de atu­ar no mun­do de even­tos com a mes­ma con­fi­an­ça que tive nes­ses últi­mos 10 anos, então, com um tan­to mais de tem­po obri­ga­to­ri­a­men­te sobran­do, deci­di que esse pode estar sen­do um sutil toque para que eu não ape­nas vol­te a publi­car sobre teo­lo­gia, mas sobre coti­di­a­no, minha bata­lha pela audi­ção… até algu­mas res­sal­vas polí­ti­cas (pois não há com­pa­ti­bi­li­da­de de cer­tas ide­o­lo­gi­as com o cris­ti­a­nis­mo autên­ti­co e, por isso, per­di o medo de expor esses enga­nos)!
Não sei se vai adi­an­tar : assim como minha atu­a­ção na pri­mei­ra fase não foi sufi­ci­en­te para impe­dir a apos­ta­sia, não espe­ro que nes­sa segun­da vá ter mai­or efi­ci­ên­cia para evi­tar a tri­bu­la­ção…
Mas ao menos pode arre­ca­dar algu­ma aju­da para as tan­tas des­pe­sas que nun­ca ces­sam de surgir…

Em 2018 ras­pei as eco­no­mi­as e com­prei esse domí­nio, garan­tin­do a hos­pe­da­gem até 2020.
Evo­luin­do, sem escon­der iden­ti­da­de, apro­vei­tei a “black fri­day” para garan­tir o atu­al domí­nio até 2024, me “sepa­rei” tex­tu­al­men­te do Teóphi­lo ao trans­fe­rir e con­cen­trar todo mate­ri­al teo­ló­gi­co n’O Pior Evan­ge­lho do Mun­do (e onli­ne tam­bém!) e vou pre­ci­sar de todo o auxí­lio que puder rece­ber : siga os blogs ; comen­te, cur­ta e com­par­ti­lhe as pos­ta­gens, cli­que nos ban­ners de pro­pa­gan­da (quan­do apa­re­ce­rem) e, caso seu cora­ção sin­ta que pode, doe dire­ta­men­te a mim.
Não estou pro­me­ten­do que bên­çãos ou mila­gres vão te alcan­çar ime­di­a­ta­men­te, mas garan­to que os recur­sos vão me per­mi­tir pro­du­zir, publi­car e divul­gar este con­teú­do que — não para minha vai­da­de, mas para hon­ra e gló­ria d’O Senhor — atra­vés des­ses quin­ze anos vem des­per­tan­do pes­so­as para o conhe­ci­men­to da Ver­da­de que liberta.

Isto pos­to…
Eu pode­ria estar rou­ban­do, matan­do ou me pros­ti­tuin­do, mas estou aqui escre­ven­do e com a cer­te­za de que tenho mui­ta coi­sa boa, capaz de auxi­li­ar e escla­re­cer pes­so­as, para publicar.

Dei­xei o Medium pela abso­lu­ta fal­ta de recur­sos e espe­ro que se algum de seus admi­nis­tra­do­res che­gar a ler essa pos­ta­gem, con­si­ga enxer­gá-la como uma crí­ti­ca cons­tru­ti­va a ser uti­li­za­da para a melho­ria dos ser­vi­ços, mas, por enquan­to… você vem comi­go para um lugar onde pos­so apli­car fun­dos escu­ros, ali­nhar fotos de qual­quer lado, usar títu­los com ima­gens no fun­do e até ban­ners e wid­gets!!
Não uso agên­ci­as e faço, sozi­nho, cada ajus­te para con­se­guir expres­sar o que se pas­sa em minha men­te e cora­ção : edi­to as ima­gens, pro­du­zo os tex­tos… e não me cur­vo ao jul­ga­men­to alheio para “estar na moda” ou sem ple­na com­pre­en­são da lógica.

PRIMEIRACONFIRMAÇÃODO TEÓPHILO

Obri­ga­do por ter lido até aqui e um gran­de abraço !

Me dá um “joi­nha”?
Gos­tou ? Me aju­de compartilhando…
  • 8
  • 8
    Sha­res

Geovane Souza

Já fiz e faço tantas coisas que só criando um site para concentrar e apresentar essa variedade.

>
Creative Commons License
Except where otherwise noted, GeovaneSou, Eu Mesmo by Geovane Souza is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.