fbpx

SOLAR DAS PALMEIRAS RIO, ILHA DA GIGÓIA

Bom dia !
Esta­mos aqui reu­ni­dos para cele­brar o matrimô­nio dos jovens Maria Lui­za Raia dos San­tos Vel­lo­so Pin­to e Edu­ar­do Soa­res Dutra do Sou­to — Malu e Dudu !

Ain­da esta­mos viven­do dias con­tur­ba­dos por con­ta de um mal micros­có­pi­co, sen­do obri­ga­dos a tomar uma série de pre­cau­ções em prol da saú­de e da pró­pria vida, mas num velho livro de capa negra há o rela­to de que ocor­reu uma catás­tro­fe ain­da mais mor­tal que essa e, ao final dela, hou­ve uma pro­mes­sa que gos­ta­ria de comu­ni­car a todos os presentes :

Enquan­to a ter­ra durar,
semen­tei­ra e sega,
e frio e calor,
e verão e inver­no,
e dia e noi­te,
não ces­sa­rão.

(Gêne­sis 8:22)

Dian­te dis­so, que­ri­dos ouvin­tes, pode­mos ter cer­te­za de que a vida está seguin­do em fren­te após tan­tos dias de iso­la­men­to e, assim como tudo o que está escri­to pros­se­gue se suce­den­do, da mes­ma for­ma nin­guém pode parar o amor !

Nes­se momen­to úni­co, vamos lan­çar rumo ao futu­ro um sen­ti­men­to que teve iní­cio há apro­xi­ma­da­men­te oito anos, quan­do uma jovem cea­ren­se ingres­sou no ensi­no médio do Colé­gio Batis­ta She­pard e, na mes­ma sala de aula, esta­va um nite­roi­en­se sim­pá­ti­co do qual, segun­do infor­ma­ções que rece­bi de ambos, ela não con­se­guia tirar os olhos.

Como em todo bom enre­do român­ti­co, pare­ce que os obje­ti­vos nun­ca são alcan­ça­dos tão rapi­da­men­te e até alguns obs­tá­cu­los que nem exis­tem de fato con­se­guem atra­pa­lhar : ape­sar das bor­bo­le­tas esta­rem voan­do feroz­men­te na bar­ri­ga da Malu, tam­bém voa­vam pela mes­ma pes­soa na bar­ri­ga de uma de suas com­pa­nhei­ras de esco­la e ela, sen­do leal, pas­sou algum tem­po ape­nas se con­cen­tran­do em seu bal­let clás­si­co, pen­san­do que o alvo de seus sen­ti­men­tos espon­tâ­ne­os iria cor­res­pon­der aos inte­res­ses pas­si­o­nais de sua amiga…

Decer­to ela nun­ca pode­ria ima­gi­nar que seus olha­res não pas­sa­ram des­per­ce­bi­dos e, pode­ro­sos, já havi­am cap­tu­ra­do o cora­ção daque­le sim­pá­ti­co jovem que, por sinal, até tro­cou de lugar na sala de aula assim que a viu, para poder ficar mais per­to da recém-chegada…

Podem ter cer­te­za de que mui­tos fato­res cons­pi­ra­ram para que não esti­vés­se­mos aqui, hoje, cele­bran­do esse momen­to tão reple­to de amor — e, por isso, mági­co !
Por exem­plo ? Além do inte­res­se de sua pró­pria ami­ga por aque­le a quem amou à pri­mei­ra vis­ta, ain­da apa­re­ceu um ami­go dele — ou da onça ? — que se meteu a con­fir­mar que ele nutria sen­ti­men­to recí­pro­co pela outra !

Nes­se pon­to onde somos obri­ga­dos a reco­nhe­cer a leal­da­de da jovem Malu, me per­mi­tam inse­rir uma impor­tan­te reco­men­da­ção que pode ser útil não só ao futu­ro casal, mas a todos que não dese­jam cor­rer o ris­co de ser víti­mas de con­fu­sões como essa : apren­dam a reco­nhe­cer e expres­sar seus sen­ti­men­tos !
Admi­to que não é uma tare­fa fácil, mas tan­to é a base sobre a qual foram cons­truí­dos os rela­ci­o­na­men­tos mais sóli­dos e dura­dou­ros
quan­to a garan­tia para se alcan­çar uma paz de cons­ci­ên­cia sem igual !

Seres huma­nos, por serem gre­gá­ri­os e par­ti­cu­lar­men­te na juven­tu­de, mui­tas vezes se dei­xam levar pelas modas e com­por­ta­men­tos gene­ra­li­za­dos sem con­si­de­rar as con­sequên­ci­as, porém a par­tir do momen­to que acei­ta­mos assu­mir o com­pro­mis­so matri­mo­ni­al, pas­sa­mos a — como foi dito pelo autor d’O Peque­no Prín­ci­pe – ser res­pon­sá­veis pelo que cati­va­mos !
É cla­ro que não pode­mos con­si­de­rar irres­pon­sá­veis pes­so­as que são capa­zes de cui­dar per­fei­ta­men­te de :
• Juve­nal,
• Snow Ball,
• Lin­di­nal­va,
• Maria Oswal­da,
• Teo­do­ra,
• Tico,
• Filo,
• Tina
as oito calop­si­tas mais que­ri­das da inter­net, mas se as expec­ta­ti­vas das aves são essen­ci­al­men­te satis­fei­tas atra­vés de ali­men­to, cari­nho e con­for­to ;
um ser huma­no tem neces­si­da­des tre­men­da­men­te mais com­ple­xas do que uma moque­ca de pei­xe ou um brownie !

Me per­do­em por vol­tar a falar naque­le velho livro cujo mode­lo tra­di­ci­o­nal tem capa negra, mas nele se diz que, ao casar, o que eram duas pes­so­as se tor­nam UMA CARNE, e isso sig­ni­fi­ca uma entre­ga ple­na e mútua… equi­va­le a dizer que, numa pers­pec­ti­va de com­pe­ti­ção, ganha quem for capaz de fazer o outro mais feliz… e isso não neces­sa­ri­a­men­te impli­ca em que­brar o orça­men­to, pois mui­tas vezes os melho­res bens mate­ri­ais não são capa­zes de com­pe­tir com a ple­ni­tu­de do aco­lhi­men­to, dos sen­ti­men­tos satis­fei­tos e da segu­ran­ça, como acon­te­ce quan­do a Malu pre­ci­sa acor­dar o Dudu para acom­pa­nhá-la fora do quar­to na escu­ri­dão da noi­te, ou quan­do o Dudu, mes­mo pro­cras­ti­nan­do, é incen­ti­va­do a pros­se­guir, apoi­a­do e até mes­mo cobra­do pela Malu !
Na tra­je­tó­ria per­fei­ta do ama­du­re­ci­men­to amo­ro­so, o casal deve, jun­tos, se apro­fun­dar na inti­mi­da­de a pon­to de poder afir­mar um ao outro com sin­ce­ri­da­de total :
J’ENTEND TON COEUREU ESCUTO OS ANSEIOS DO SEU CORAÇÃO !

O ver­da­dei­ro amor tam­bém exi­ge que seja­mos mui­to mais ser sin­ce­ros do que sim­ples­men­te que­rer pare­cer “bon­zi­nhos” o tem­po intei­ro…
E sin­ce­ri­da­de foi o que não fal­tou ao senhor Edu­ar­do quan­do ele resol­veu, após vári­as e vári­as ten­ta­ti­vas, dar um bas­ta naque­la situ­a­ção de ami­za­de que o dei­xa­va total­men­te frus­tra­do : ele dava sem­pre um jei­to de fazer os tra­ba­lhos esco­la­res e tudo o que sur­gis­se jun­to com ela, mas pare­cia que a “fri­end zone” era intrans­po­ní­vel… até o dia em que ele con­cen­trou toda sua arti­lha­ria e con­vi­dou a senho­ra Malu para uma noi­te na balada !

A rea­ção dela ? Foi a mais sur­pre­en­den­te pos­sí­vel : levou jun­to a amiga!!

Foi um momen­to deli­ca­do, mas Edu­ar­do Soa­res Dutra do Sou­to, que algu­mas vezes dá vol­tas antes de solu­ci­o­nar cer­tas situ­a­ções, não esta­va para brin­ca­dei­ras naque­la noi­te : segun­do me dis­se, sim­ples­men­te não que­ria “ficar para titio” e abriu seu cora­ção, jogou sua pai­xão em cima da mesa e escla­re­ceu quem era o ver­da­dei­ro alvo de sua mais com­ple­ta e pura afei­ção : Maria Lui­za Raia dos San­tos Vel­lo­so Pinto.

Des­de então, ape­sar de um par de desen­ten­di­men­tos pelo per­cur­so —
que, aliás, só ser­vi­ram para reves­tir de ain­da mai­or cer­te­za o que sen­tem um pelo outro — o amor veio aumen­tan­do e se con­fir­man­do de tal for­ma, que hoje esta­mos aqui para cele­brar a ofi­ci­a­li­za­ção des­sa linda…

ALIANÇA !

Eu, Edu­ar­do Soa­res, acei­to você, Maria Lui­za Raia,
como minha legí­ti­ma espo­sa
e pro­me­to
amar-te e res­pei­tar-te
na ale­gria e na tris­te­za,
na saú­de e na doen­ça,
na rique­za e na pobre­za,
por todos os dias da minha vida.

Eu, Maria Lui­za Raia, acei­to você, Edu­ar­do Soa­res,
como meu legí­ti­mo espo­so
e pro­me­to
amar-te e res­pei­tar-te
na ale­gria e na tris­te­za,
na saú­de e na doen­ça,
na rique­za e na pobre­za,
por todos os dias da minha vida.

Gos­ta­ría­mos de agra­de­cer a pre­sen­ça de todos e, tam­bém daque­les que não pude­ram estar aqui, espe­ci­al e sau­do­sa­men­te home­na­ge­an­do :
a senho­ra Ele­o­no­ra Raia, que gos­ta­ria mui­to de ver a neta ves­ti­da de noi­va ;
o senhor Geni­val Sera­fim dos San­tos, que nos dei­xou esse ano ;
e o peque­no Edmun­do, que lutou bra­va­men­te, mas nes­se momen­to deve estar voan­do ale­gre pelo céu dos pássaros.

Con­vi­do ago­ra os noi­vos e duas tes­te­mu­nhas para a assi­na­tu­ra do livro memo­ri­al rela­ti­vo a essa celebração.

Ago­ra tere­mos um momen­to impor­tan­tís­si­mo, soli­ci­ta­do pelas mães do casal, para que todos os pre­sen­tes, inde­pen­den­te da fé, tenha­mos a opor­tu­ni­da­de de trans­mi­tir nos­so bem que­rer, bons dese­jos e ener­gi­as aos noi­vos.
Por favor fiquem de pé e esten­dam suas mãos em dire­ção ao casal para que pos­sa­mos orar o Pai Nosso :

Pai nos­so, que estás nos céus,
san­ti­fi­ca­do seja o teu nome ;
Venha o teu rei­no,
seja fei­ta a tua von­ta­de,
assim na ter­ra como no céu ;
O pão nos­so de cada dia nos dá hoje ;
E per­doa-nos as nos­sas dívi­das,
assim como nós per­do­a­mos aos nos­sos deve­do­res ;
E não nos con­du­zas à ten­ta­ção ;
mas livra-nos do mal ;
por­que teu é o rei­no, e o poder, e a gló­ria, para sem­pre.
Amém.

(Mateus 6:8 – 13)

Para encer­rar­mos com cha­ve de ouro, nada mais espe­ci­al que per­mi­tir aos noi­vos selar esse novo e impor­tan­te pas­so de sua jor­na­da jun­tos atra­vés do ato que pra­ti­ca­ram pela pri­mei­ra vez láááá no “Ber­ço de Noël”, em Vila Isa­bel : podem se beijar!!!

Que a saú­de, a feli­ci­da­de e a paz os acom­pa­nhem hoje e para sem­pre !
Bom après-midi !
Bön wee­kend !
Bon­ne vie !

Me dá um “joi­nha”?
Gos­tou ? Me aju­de compartilhando…
  • 141
  • 141
    Sha­res
>
Creative Commons License
Except where otherwise noted, GeovaneSou, Eu Mesmo by Geovane Souza is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.