Prática comum em regimes vermelhos

A Bíblia Não É O Que Você Quer…

A BÍBLIA E A MERITOCRACIA

Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.

João 17:17

A Palavra de Deus é a Verdade… a única verdade que pode conduzir o frágil ser humano até a vida eterna.

A Palavra de Deus é perfeita… isso não significa que ela seja uma obra de fácil compreensão: homens se debruçaram por horas e dias e anos — e por suas vidas inteiras! — lendo e relendo, fundando religiões, promovendo guerras e cruzadas… e, por estarem destinados a isso, falharam e ainda hoje continuam falhando miseravelmente na tentativa de estabelecer um modelo institucional de acessar o Criador ou um ritual ou fórmula mágica que possa submetê-lO, servil, aos nossos desejos!

Na realidade, há uma “pegadinha” de Deus para com os homens nesse ponto: ela nem mesmo pode ser compreendida pelo quer descreve como “homem natural”!
Para que seja plenamente entendida, se faz necessário um “aditivo” que só o próprio Senhor Deus pode dar e, mais restritivamente ainda, não pode nem mesmo ser tomado por força: Ele só dá a quem Ele quer!!!

Achou injusto? Ficou com raivinha? Acha que pode fazer melhor?!
Pode entrar na fila, pois ela é longa… aliás, aqui vai um “spoiler” de como foi com o primeiro que pensou igual a você:

¹² Como caíste desde o céu, ó Lúcifer, filho da alva!
Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações!
¹³ E tu dizias no teu coração:
Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte.
¹⁴ Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo.
¹⁵ E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo.

Isaías 14

Pois é… nem mesmo o que você poderia entender como “boas intenções” é suficiente para justificar a arrogância de querer “hackear” o mecanismo original, perfeito e insondável criado por Deus.

Ah! A Palavra de Deus também é mais atual que o jornal de amanhã, pois suas profecias revelam eventos e situações que ainda vão ocorrer.

³ Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina;
mas, tendo comichão nos ouvidos,
amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

2 Timóteo 4

Particularmente acho “comichão nos ouvidos” uma termo próprio da realeza e da discrição que só os mais ilustres e nobres conseguem alcançar, pois o que mais tenho visto é gente com comichão no bolso vazio, no bumbum, na perereca… e o que não falta são “doutores” para acolher e apascentar seus pecados e desejos, abrindo empresas eclesiásticas ao gosto do freguês, como se institucionalizar o pecado fosse obrigar o Senhor Deus a aceitá-lo…

E é por ter passado minha vida inteira observando a humanidade quase que o tempo inteiro querendo fazer melhor do que Deus, ser mais boazinha que Jesus Cristo e fabricar uma nova realidade mundial que, na minha ignorância, decidi fazer uma série simples, que não vai coçar comichão de ninguém e, provavelmente, desagradar muita gente.
Nesse

O EPISÓDIO DOS TALENTOS (MATEUS 25:14–30) x IDEOLOGIAS VERMELHAS

Vamos ler a simples e direta passagem conhecida como “parábola dos talentos”:

¹⁴ Porque isto é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens.
¹⁵ E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade, e ausentou-se logo para longe.
¹⁶ E, tendo ele partido, o que recebera cinco talentos negociou com eles, e granjeou outros cinco talentos.
¹⁷ Da mesma sorte, o que recebera dois, granjeou também outros dois.
¹⁸ Mas o que recebera um, foi e cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.
¹⁹ E muito tempo depois veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles.
²⁰ Então aproximou-se o que recebera cinco talentos, e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que granjeei com eles.
²¹ E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.
²² E, chegando também o que tinha recebido dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis que com eles granjeei outros dois talentos.
²³ Disse-lhe o seu senhor: Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.
²⁴ Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste;
²⁵ E, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu.
²⁶ Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei?
²⁷ Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros.
²⁸ Tirai-lhe pois o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos.
²⁹ Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado.
³⁰ Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.

Mateus 25

E acabou!
Quem não produziu não foi tomado por vítima!
Não teve redistribuição de renda e nem cogitaram tirar de quem tinha mais para dar a quem tinha menos… inclusive até eu fiquei surpreso, pois ocorreu exatamente o contrário: não foi feita justiça social e, talvez seja a tal meritocracia, tiraram tudo de quem tinha menos e deram ao que mais produziu!
E, claro, não teve bolsa família e nem nada parecido: foi banido para as tais “trevas exteriores” com pranto, ranger de dentes e distância absoluta do tal senhor!

É chocante! É brutal!
Vai contra a necessidade que o ser humano tem de “parecer bonito na foto” e, numa análise fria e errônea, seria a exposição de um escritor pessimamente inspirado, mas… isso só é o que enxerga quem está olhando para os detalhes errados como, por exemplo e especialmente, os adeptos do discurso socialista / comunista.

Tomemos o “senhor” do texto como uma analogia ao próprio Senhor… uma instância obviamente menor, mas devidamente outorgada e com poder suficiente para cumprir com perfeição o papel ao qual se destina e, por isso, fornecedor dos recursos iniciais a todos… da mesma forma que deveria funcionar o Estado.
Vamos considerar que a utilização do termo “servos” indica que os tais possuíam as qualificações mínimas — portanto instrução suficiente — para a execução de suas funções e, conforme a capacidade de cada um (Ei! Isso é a tal meritocracia no verso 15?) foram distribuídos os talentos!

Juntando tudo, batendo no liquidificador e bebendo sem coar: o que recebeu menos, por ser atestadamente menos capaz, NEM SE ESFORÇOU!
Optou pela acomodação e ainda realizou as mais diversas acusações ao sistema (lá no verso 24 diz que o senhor era um homem duro e com padrão absurdo de cobrança; o assédio psicológico aparece no verso 25 sob a alegação de estar “atemorizado”… se continuasse ia acabar cobrando a dívida racial histórica e requisitar as cotas…).
Enfim, como estou usando uma linguagem bem acessível neste texto: acabou demitido, sem direitos, com uma mão na frente e outra atrás… e até mesmo BANIDO do convívio social!!

Tudo isso parece absurdo, mas… essa é a palavra de Deus e quaisquer possíveis discordâncias não passam da mesma rebeldia ancestral demonstrada por Adão ou Caim… ou o próprio Lúcifer!
O maldito orgulho de pensar que podemos fazer melhor que o próprio Deus, sermos mais justos que Ele…
Se formos considerar esta parábola sob a perspectiva de uma ilustração que encontrei em um blog de cunho esquerdista…

Após a leitura do texto, essa imagem ganha novo sentido.
Só fiquei tentando imaginar a razão e em quem Deus daria um golpe…

A despeito de passarmos a vida inteira nos debatendo (às vezes até de forma extenuante), simplesmente corremos o risco de estar concentrando nossos movimentos na direção errada, especialmente se desprezarmos os velhos ensinamentos com os quais Deus inspirou homens a escrever os textos reunidos nesse livro cuja constituição, papel e tinta, não tem poder algum, mas cuja essência, sem o “aditivo” que só o próprio Deus pode dar a quem Ele quiser, está fadada a não ser compreendida, mesmo sendo o único caminho para a vida eterna…

CLIQUE AQUI PARA LER A SEGUNDA PARTE.

QUEM FALA O QUE QUER...