fbpx

UMA OUTRA REALIDADE

Tem­po esti­ma­do de lei­tu­ra : 2 min

Há pou­co mais de um ano fui arre­mes­sa­do nes­sa dimen­são para­le­la e venho ten­tan­do aten­ta e cui­da­do­sa­men­te com­pre­en­der como ela fun­ci­o­na, pois só quem é daqui é capaz de enten­der cer­tas coi­sas… algu­mas até tenebrosas !

Pra come­ço de con­ver­sa é bom expli­car que, ape­sar do nome ser “Silen­ci­da­de”, nem tudo aqui é silen­ci­o­so : a bar­rei­ra ao redor de cada habi­tan­te pode não ser abso­lu­ta, per­mi­tin­do a pas­sa­gem de algu­mas frequên­ci­as e vari­an­do de pes­soa para pes­soa.
Esse obs­tá­cu­lo audi­ti­vo aca­ba difi­cul­tan­do a ple­na com­pre­en­são dos diver­sos sons no ambi­en­te e, o mais com­pli­ca­do de tudo, a com­pre­en­são das coi­sas que são ditas e são par­te essen­ci­al do pro­ces­so que tor­na o ser huma­no per­ten­cen­te a algu­ma estru­tu­ra soci­al… qual­quer uma : fami­li­ar, reli­gi­o­sa, profissional…

Quem não é daqui ima­gi­na que somos, os habi­tan­tes, todos iguais, mas nem des­con­fia que exis­tem dois dis­tri­tos bas­tan­te dife­ren­tes : Sina­lec­taTec­no­ral.
Teo­ri­ca­men­te era para ser fácil tran­si­tar entre eles — afi­nal, somos todos habi­tan­tes da mes­ma cida­de —, mas as coi­sas não são tão sim­ples assim até por con­ta de fato­res his­tó­ri­cos sobre os quais vou, no máxi­mo, fazer uma bre­ve men­ção, pois não pre­ten­do abran­ger nem a pro­fun­di­da­de his­tó­ri­ca nem a pers­pec­ti­va mun­di­al da sur­dez… por enquan­to.
Vou dei­xar aqui um link para quem qui­ser saber um pou­co mais sobre esses assun­tos, mas acho que seria inte­res­san­te con­tar alguns deta­lhes que pude notar nos dis­tri­tos de Silen­ci­da­de, que é tão bra­si­lei­ra quan­to atual.

TECNORAL

Vou falar pri­mei­ro do lugar onde eu caí, pois é o que tenho mai­or pro­ba­bi­li­da­de de conhe­cer melhor pela pró­pria expe­ri­ên­cia : logo que che­guei, fui fra­ter­nal­men­te aco­lhi­do e pela comu­ni­da­de dos “Sur­dos Que Ouvem”, onde rece­bi mui­tas ori­en­ta­ções e a doa­ção de minha pri­mei­ra pró­te­se audi­ti­va para sur­dez pro­fun­da, mas essa minha mal­di­ta men­te que pen­sa come­çou a per­ce­ber que aqui é tudo novo e tudo elétrico !

Depen­de­mos pro­fun­da­men­te de ener­gia por­que tudo tem que ficar liga­do o tem­po intei­ro : não só gas­ta­mos tone­la­das de bate­ri­as para rom­per a bar­rei­ra do silên­cio, mas ener­gia elé­tri­ca, de um modo geral, com desu­mi­di­fi­ca­do­res, smartpho­nes, smartwat­ches… coi­sas sem as quais, não saben­do lei­tu­ra labi­al e nem sen­do habi­tué de Sina­lec­ta, mui­ta gen­te esta­rá res­tri­ta ao uso de papel e cane­ta para poder rece­ber infor­ma­ções (por­que até hoje ain­da não conhe­ci nin­guém aqui que não seja oralizado).

Podem me cha­mar de para­noi­co, mas atu­al­men­te um de meus mai­o­res medos se cha­ma pul­so ele­tro­mag­né­ti­co e, pen­san­do bem em todos esses fatos e des­do­bra­men­tos, des­co­bri que o ter­mo mais exa­to para me iden­ti­fi­car é “Audi­o­A­ti­vo”, ou seja, capaz de inte­ra­ção soci­al enquan­to ele­tri­ca­men­te car­re­ga­do : sem implan­tes, pró­te­ses nem a ener­gia para ali­men­tá-los… não pas­so de um sur­do falante !

Aliás, essa con­di­ção de não con­se­guir escu­tar nem a pró­pria voz é opos­ta a de ser obri­ga­do a escu­tar tudo o que acon­te­ce no ambi­en­te, pois, ape­sar da alta tec­no­lo­gia exis­ten­te, os Apa­re­lhos de Ampli­fi­ca­ção Sono­ra Indi­vi­du­ais (AASI) ain­da estão em desen­vol­vi­men­to e em mui­tos casos não nos per­mi­tem focar no som que que­re­mos, mas nos for­çam a ouvir tudo o que está no ambi­en­te ao mes­mo tem­po ago­ra… e que nos vire­mos para fil­trar o que é rele­van­te !
Acre­di­te : mui­tas vezes Silen­ci­da­de aca­ba sen­do extre­ma e incon­ve­ni­en­te­men­te mais baru­lhen­ta que o mun­do nor­mal… e o ato de poder des­li­gar tudo aca­ba se tor­nan­do uma bênção.

Ah, sim : aqui tam­bém se neces­si­ta, em qual­quer caso, de paci­ên­cia !
Quem não tem dinhei­ro vai gas­tar paci­ên­cia e dis­po­si­ção até obter algum resul­ta­do jun­to ao Sis­te­ma Úni­co de Saú­de.
Quem tem, e mui­to, dinhei­ro, deve ter mui­ta paci­ên­cia e meti­cu­lo­si­da­de para rea­li­zar tes­tes com apa­re­lhos de diver­sas mar­cas até encon­trar o que melhor se ade­que às suas neces­si­da­des.
Tudo isso aca­ba tor­nan­do Tec­no­ral um dis­tri­to qua­se — e só qua­se ! — livre da bar­rei­ra sono­ra e seus mora­do­res capa­zes de inte­ra­ções mais dinâ­mi­cas com os ouvintes.

SINALECTA

Este dis­tri­to é o núcleo de Silen­ci­da­de e tal­vez seja tão anti­go quan­do o pró­prio Bra­sil.
Todos que nas­cem em Silen­ci­da­de têm mai­or pro­ba­bi­li­da­de de che­gar aqui e seu trans­por­te para Tec­no­ral exi­ge mui­tos recur­sos e extre­ma dedi­ca­ção dos pais que opta­rem por isso.
Ao con­trá­rio das neces­si­da­des ener­gé­ti­cas do outro dis­tri­to, quem mora aqui pode levar uma vida orgâ­ni­ca e depen­den­do ape­nas das pró­pri­as mãos para inte­ra­gir com os outros mora­do­res e fre­quen­ta­do­res do local : mes­mo à dis­tân­cia, bas­ta a ilu­mi­na­ção (e, obvi­a­men­te, a visão) para que os sina­lec­tos sejam capa­zes de se comunicar !

Os ouvin­tes ime­di­a­ta­men­te asso­ci­am essa Lín­gua de Sinais uti­li­za­da em Sina­lec­ta a todos os mora­do­res de Silen­ci­da­de e jus­ta­men­te por isso é impor­tan­tís­si­mo des­ta­car que ela, ape­sar de depen­der ape­nas do pró­prio cor­po, tan­to não é algo “orgâ­ni­co” (e neces­si­ta ser apren­di­da) quan­to não é uni­ver­sal, sen­do ape­nas uti­li­za­da por uma par­ce­la de sur­dos e exclu­si­va­men­te no Brasil.

É teme­rá­rio falar de temas que não conhe­ce­mos, por­tan­to, por não ser resi­den­te des­se dis­tri­to, acho jus­to nar­rar ape­nas, sem más­ca­ras ate­nu­a­do­ras, as expe­ri­ên­ci­as rela­ci­o­na­das a ele pelas quais passei.

EUSINALECTA

Como já citei, logo que che­guei em Silen­ci­da­de mui­tas pes­so­as cobra­vam que eu ins­tan­ta­ne­a­men­te sou­bes­se a lín­gua de sinais, como se a trans­fe­rên­cia de conhe­ci­men­to pudes­se ocor­rer nos mol­des do fil­me “Matrix” e ao mes­mo tem­po em que a audi­ção esti­ves­se indo embo­ra, alguém esti­ves­se remo­ta e ime­di­a­ta­men­te fazen­do um “uplo­ad” de Libras…
A ver­da­de é que esse é um com­por­ta­men­to INTROMISSIVORIDÍCULO e me dei­xou tan­to inco­mo­da­do quan­to cons­tran­gi­do !
Ain­da assim esta­va con­si­de­ran­do urgen­te o apren­di­za­do da lín­gua de sinais até o momen­to em que um dos pró­pri­os mora­do­res de Sina­lec­ta fez o favor de man­dar um “reca­di­nho do cora­ção” do qual não fiz uma cap­tu­ra, mas lem­bro com exa­ti­dão o con­teú­do :
— Esse ser ouvin­te esper­to que­rer tirar vaga tra­ba­lho de sur­do.
Não duvi­dem : xin­guei um pala­vrão mui­to alto e desis­ti de apren­der qual­quer lín­gua que, além de escre­ver daque­la for­ma, ain­da con­se­guia sin­te­ti­zar tan­ta dis­cri­mi­na­ção e ofen­sa de uma só vez !

A ques­tão é que tan­to minha sur­dez é real quan­to não tenho medo de cara feia — sou sobre­vi­ven­te oriun­do de deba­tes teo­ló­gi­cos alta­men­te ofen­si­vos e usuá­rio cale­ja­do das fer­ra­men­tas de cap­tu­ras de tela — e con­for­me ia publi­can­do os avan­ços na bus­ca por meus direi­tos, os sina­lec­tos iam publi­can­do “elo­gi­os” como se eu esti­ves­se rou­ban­do algu­ma coi­sa que per­ten­ces­se exclu­si­va­men­te a eles : “sur­do para­guaio”, “sur­do 007”, “fal­so sur­do”, víde­os sem áudio nem legen­da onde eu só podia ver pes­so­as total­men­te trans­tor­na­das e chei­as de ira fazen­do sinais ame­a­ça­do­res como se esti­ves­sem ansi­o­sas até para me agre­dir fisi­ca­men­te !
Sin­ce­ra­men­te Sina­lec­ta pro­mo­veu uma recep­ção abso­lu­ta­men­te repul­si­va e assus­ta­do­ra à dimen­são da sur­dez e minha von­ta­de era man­dar todos eles se danar e vol­tar a ser ouvin­te, mas… de Silen­ci­da­de só se sai mor­to.
Seguem regis­tros de alguns ata­ques com a iden­ti­da­de dos agres­so­res ocul­ta, por­que mais me inte­res­sa a expo­si­ção e o estu­do de casos do que cau­sar pre­juí­zo a alguém que até pode se arre­pen­der da estu­pi­dez que pro­mo­veu.
(Pelo sim, pelo não… man­te­nho guar­da­dos os regis­tros ori­gi­nais com todos os nomes bem visíveis!) 

FALSO SURDO !
SURDO 007 ESPERTO !
SABER FALAR ME FAZ OUVIR?!?
E PODE PUBLICAR MEU ROSTO PRA FALAR MAL DE MIM?!?
EU, AO MENOS, MANCHEIDELE

O mais engra­ça­do de tudo foi que esta­va lá eu humil­de e paci­en­te­men­te ten­tan­do ensi­nar a todos indis­tin­ta­men­te —sina­lec­tos, tec­no­rais ou quais­quer outros defi­ci­en­tes ! — como obter o tal Pas­sé Livre e me ocor­re um diá­lo­go exa­ta­men­te como mos­tra a cap­tu­ra a seguir :

PODEEENDOOOO !

Enfim, o Pas­sé Livre real­men­te dá direi­to às via­gens inte­res­ta­du­ais, mas ape­nas de ôni­bus con­ven­ci­o­nais e aten­de às neces­si­da­des dos defi­ci­en­tes que não têm recur­sos para poder par­ti­ci­par, por exem­plo, de even­tos inclu­si­vos, con­gres­sos, semi­ná­ri­os…
Enquan­to um ban­do de sur­dos me acu­sa de estar “que­ren­do apa­re­cer” ou de fin­gir minha defi­ci­ên­cia para levar van­ta­gem, pos­so afir­mar que “onda” mes­mo eu só vou tirar quan­do esti­ver ganhan­do o sufi­ci­en­te para devol­vê-lo e agra­de­cer dizen­do que não pre­ci­so mais por já con­se­guir via­jar mais con­for­ta­vel­men­te e por con­ta própria !

Con­for­me o tem­po pas­sou ain­da fui des­co­brin­do mui­ta inca­pa­ci­da­de de inter­pre­ta­ção da Lín­gua Por­tu­gue­sa, mas isso nem pode ser tão cri­ti­ca­do pois o que não fal­ta são ouvin­tes anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais tam­bém !
Fui encon­tran­do situ­a­ções ines­pe­ra­da­men­te melin­dro­sas de gen­te capaz de se inco­mo­dar sim­ples­men­te por não saber, por exem­plo, uti­li­zar sinônimos.

A POSTAGEM FOI CENSURADA, MAS CONSEGUI CAPTURAR ANTES DE SUMIR !

Enfim, meu impul­so ini­ci­al para apren­der Libras foi con­ti­do jus­ta­men­te por seus pró­pri­os usuá­ri­os : para que eu ia fazer esfor­ço, empe­nhar tem­po e dinhei­ro… para me comu­ni­car com aque­las pes­so­as tão agres­si­vas e ofen­si­vas?!
Porém, mes­mo dian­te de tan­ta decep­ção, nun­ca dei­xei de reco­nhe­cer a impor­tân­cia da lín­gua de sinais para os que opta­ram por seu uso, prin­ci­pal­men­te para os que nas­ce­ram sem outra opção : nun­ca con­se­gui acre­di­tar que toda aque­la agres­si­vi­da­de pri­mal pudes­se ser a carac­te­rís­ti­ca unâ­ni­me dos habi­tan­tes de Sina­lec­ta… e minha espe­ra trou­xe resultados !

PRECURSORES, DIPLOMATAS… E UM LOUCO !

Tec­no­ral, por suas carac­te­rís­ti­cas tec­no­ló­gi­cas que tive­ram desen­vol­vi­men­to pra­ti­ca­men­te para­le­lo à infor­má­ti­ca, neces­si­ta de divul­ga­ção e tem, sem dúvi­da e no míni­mo, dois gran­des ava­ta­res pre­cur­so­res rea­li­zan­do a árdua e deli­ca­da tare­fa de pro­mo­ver sua exis­tên­cia e bene­fí­ci­os : um deles já foi aqui bre­ve­men­te men­ci­o­na­do e o outro rece­be­rá o mere­ci­do des­ta­que no tem­po certo.

Já Sina­lec­ta, por pra­ti­ca­men­te con­cen­trar em si tudo o que a mai­or par­te dos ouvin­tes sabe sobre Silen­ci­da­de, aca­ba rece­ben­do a mai­or par­te da aten­ção do “mun­do comum”, fazen­do ao menos o nome de sua lín­gua ser conhe­ci­do por qua­se todos e, chei­os de orgu­lho, afir­man­do que “Libras é a segun­da lín­gua ofi­ci­al do Bra­sil”.
Não que não lhes fal­tem obs­tá­cu­los, mas qua­se todas as ações pro­mo­vi­das em fun­ção de sur­dos nem che­gam per­to de pen­sar em legen­das, quan­to mais em este­no­gra­fia ou trans­mis­sões por Blu­e­to­oth e aro mag­né­ti­co : acho lou­vá­vel e mag­ni­fi­ca a inclu­são obti­da atra­vés dis­so, mas… aca­bo me tor­nan­do mino­ria excluí­da e até sen­do des­pre­za­do e rece­ben­do olha­res tor­tos quan­do, num sin­ce­ri­cí­dio, con­fes­so que lín­gua de sinais não me adi­an­ta de nada !

Em ambos os dis­tri­tos há gen­te opri­mi­da, inse­gu­ra, com gran­des difi­cul­da­des de bus­car seus direi­tos e com poten­ci­al ain­da mai­or de ser colhi­da pelas gar­ras da depres­são e seus funes­tos impul­sos, espe­ci­al­men­te por­que suas limi­ta­ções inte­ra­ci­o­nais cons­ti­tu­em a úni­ca defi­ci­ên­cia que não dá sinais evi­den­tes, sen­do pra­ti­ca­men­te invi­sí­vel.
(Eu, que já qua­se sucum­bi viti­ma­do por ansi­e­da­de e depres­são, des­co­bri que pro­mo­ver o bem tem o poder de reno­var minhas for­ças, assim como falar e viver a ver­da­de, mes­mo me tor­nan­do às vezes uma pedra no sapa­to, me dá a tran­qui­li­da­de para dor­mir bem todas as noites.)

Dian­te de tudo isso, optei por uti­li­zar todos os recur­sos dis­po­ní­veis para divul­gar infor­ma­ções e, do meu jei­to (com­pli­ca­do para alguns, bru­to para outros…), ofe­re­cer um pou­co de entre­te­ni­men­to dire­ci­o­na­do aos habi­tan­tes de Silen­ci­da­de e, ao mes­mo tem­po, des­co­bri ser poten­ci­al­men­te útil ao cri­ar cami­sas infor­ma­ti­vas que, até então, não eram coi­sas comuns entre os defi­ci­en­tes audi­ti­vos… infe­liz­men­te minhas ati­tu­des táti­cas e auto­con­fi­an­ça aca­ba­ram sur­pre­en­den­do e cau­san­do estra­nhe­za em ambos os distritos.

Após ter dado pro­vas mais do que sufi­ci­en­tes de que minha sur­dez é real e pas­sa­do algum tem­po publi­can­do con­teú­do, feliz e final­men­te alguns cida­dãos com habi­li­da­de para fre­quen­tar ambos os dis­tri­tos per­ce­be­ram que eu pode­ria ser útil à cau­sa e se apro­xi­ma­ram de mim, pois per­ce­be­ram que esta­va (e con­ti­nuo) ten­do alguns pro­ble­mas tan­to para com­pre­en­der quan­to para res­pon­der às pes­so­as que ten­ta­vam se comu­ni­car em “Libras escri­tas” comi­go.
Só come­cei, de fato, a ter uma melhor comu­ni­ca­ção com a popu­la­ção Sina­lec­ta gra­ças a essas raras almas ilu­mi­na­das que não ape­nas me aju­da­ram a com­pre­en­dê-la, mas toma­ram a fren­te pro­du­zin­do até víde­os expli­ca­ti­vos em lín­gua sina­li­za­da sobre quem eu era, as pecu­li­a­ri­da­des de minha sur­dez e minha dis­po­si­ção em con­tri­buir no pro­ces­so de infor­ma­ção e inclu­são de todos habi­tan­tes de Silen­ci­da­de entre a popu­la­ção que não sofre com bar­rei­ras sonoras.

Após isso mui­tas coi­sas fan­tás­ti­cas acon­te­ce­ram — e boa par­te delas está regis­tra­da na pági­na Sur­dos Audi­o­A­ti­vos Ora­li­za­dos, que cri­ei no Face­bo­ok — e ape­sar de soar bem pare­ci­do com fic­ção, tudo isso é mui­to real, assim como novas desa­fi­os e aven­tu­ras sur­gem a cada dia. A seguir vou apre­sen­tar a vocês dois momen­tos de um dos epi­só­di­os que mais me emocionaram :


Ain­da não pude dedi­car tem­po nem gra­na ao apren­di­za­do de Libras : sou pobre, pre­ci­so de dinhei­ro e tenho des­co­ber­to que a expec­ta­ti­va dos empre­ga­do­res quan­to aos ocu­pan­tes das vagas des­ti­na­das às cotas de defi­ci­en­tes, espe­ci­al­men­te as rela­ci­o­na­das à sur­dez, são extre­ma­men­te bai­xas, mas isso vai ser assun­to para um pró­xi­mo tex­to… se é que esse aqui che­ga­rá a ser de algu­ma uti­li­da­de a pon­to de ser comen­ta­do e com­par­ti­lha­do.
Só você, lei­tor, pode me ajudar.

Eu creio que o ver­da­dei­ro amor, o genuí­no inte­res­se por algu­ma coi­sa… nada dis­so pode ser for­ça­do, nada dis­so vai ser ver­da­dei­ra­men­te alcan­ça­do atra­vés de leis e obri­ga­ções, pois esses recur­sos equi­va­lem a colo­car alge­mas, cor­ren­tes e lan­çar pes­so­as na cadeia : ver­da­dei­ros ami­gos e quem ama de ver­da­de não faz e nem pre­ci­sa dis­so !
Se você — habi­tan­te ou não de Silen­ci­da­de — leu até aqui, mui­to obri­ga­do por sua aten­ção : já que nin­guém te for­çou, isso pode ser amor !

Me dá um “joi­nha”?
Gos­tou ? Me aju­de compartilhando…
  • 2
  • 2
    Sha­res

Geovane Souza

Já fiz e faço tantas coisas que só criando um site para concentrar e apresentar essa variedade.

>
Creative Commons License
Except where otherwise noted, GeovaneSou, Eu Mesmo by Geovane Souza is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.