fbpx

Ninguém Melhor Para Falar Mal de Mim… Do Que Eu Mesmo !

Tem­po esti­ma­do de lei­tu­ra : 9 min
Por que tão sério ?

10 anos come­cei a escre­ver arti­gos cujo teor fre­quen­te­men­te con­du­zia a deba­tes infla­ma­dos e des­co­bri que, quan­do se extin­guem os argu­men­tos per­ti­nen­tes, as pes­so­as incom­pe­ten­tes cos­tu­mam ini­ci­ar ata­ques ten­tan­do des­qua­li­fi­car seu opo­nen­te por meio de pos­sí­veis falhas em seu cará­ter… é algo bas­tan­te ridí­cu­lo que aca­ba soan­do paté­ti­co como “Fula­no não pode falar da teo­ria da expan­são mole­cu­lar por­que tira mele­ca do nariz”! O pior é que há gen­te son­sa que se dei­xa levar por esse tipo de argu­men­to irre­le­van­te e, mas­sa de mano­bra, pas­sa a des­con­si­de­rar o autor que foi víti­ma da falá­cia “ad homi­nem”, sem sequer con­si­de­rar que o núcleo do assun­to é des­vin­cu­la­do das qua­li­da­des (ou defei­tos) pes­so­ais do debatedor.

O inte­li­gen­te apren­de com os pró­pri­os erros,
já o sábio… com os erros dos outros.”

Como autor, pre­fi­ro aque­les cora­jo­sos que assu­mem a igno­rân­cia (ou ain­da os que sim­ples­men­te se recu­sam a tomar conhe­ci­men­to por medo de aba­lar suas con­vic­ções) do que os fal­sos “sábi­os” que fin­gem estar enten­den­do o assun­to enquan­to, na rea­li­da­de, não são capa­zes de dife­ren­ci­ar alhos de buga­lhos e, sem argu­men­tos, come­çam a emu­lar uma indi­fe­ren­ça que não escon­de a rea­li­da­de de que ape­nas gos­ta­ri­am de calar sua boca… mes­mo que para isso tives­sem de cor­tar sua jugular !

Por outro lado, o nas­ci­men­to de minha filha me imbuiu de um sen­ti­men­to de urgên­cia em rela­ção a meu lega­do, pois tenho vis­to boa par­te dos que são de minha gera­ção sim­ples­men­te se per­mi­tin­do diluir e des­va­ne­cer entre as coi­sas estú­pi­das e injus­ti­fi­cá­veis que as mídi­as, os gover­nos e as reli­giões vem empur­ran­do goe­la abai­xo da soci­e­da­de usan­do argu­men­tos como “segu­ran­ça”, “tole­rân­cia”, “poli­ti­ca­men­te cor­re­to”: ao con­trá­rio do que fez o meu pai, pre­ten­do dei­xar para meus des­cen­den­tes regis­tros o sufi­ci­en­te para que não tenha que per­der tan­to tem­po ima­gi­nan­do como pode ter sido a vida de seu ante­pas­sa­do e o que ele faria dian­te de algu­ma situ­a­ção ou ques­tão que venha a se apre­sen­tar, assim como, ten­do sóli­dos argu­men­tos (e não ape­nas solú­veis igno­rân­ci­as), pos­sam con­cor­dar ou dis­cor­dar de minhas posições.

Notem que não é por estar escre­ven­do a quem ago­ra é cri­an­ça que o con­teú­do expos­to será de teor infan­til ! Aliás, vou falar cla­ra­men­te : TIREM AS CRIANÇAS DA SALA ou, pelo menos, tomem bas­tan­te cui­da­do : ao expor minha vida, meus erros e meus acer­tos, tenho a inten­ção de dar aos sábi­os as opor­tu­ni­da­des que não tive ou per­di. Even­tu­al­men­te vou enve­re­dar por assun­tos cabu­lo­sos que exi­gi­rão cer­to nível de matu­ri­da­de : o pro­ces­so de ama­du­re­ci­men­to envol­ve o conhe­ci­men­to das coi­sas e, a par­tir dis­so, a pos­si­bi­li­da­de de acei­tar ou rejei­tar o que nos é oferecido.

Os temas que meu pseudô­ni­mo deba­te aca­bam não ten­do base algu­ma no ser huma­no falho e mise­rá­vel que sou, por isso pen­sei ser inte­res­san­te regis­trar algu­ma coi­sa do que foi e é minha vida, pois mui­tas vezes as con­clu­sões às quais che­go e as posi­ções que defen­do não são as que mais me agra­da­ri­am e nem me são as mais con­ve­ni­en­tes : por mais amis­to­so que eu seja, infe­liz­men­te minha mis­são ao escre­ver não é fazer ami­gos, mas influ­en­ci­ar pes­so­as… nem sem­pre as que eu mais que­ro, mas aque­las que têm de ser influ­en­ci­a­das a des­pei­to de minhas con­ve­ni­ên­ci­as e vontades.

Por­que, se alguém cui­da ser algu­ma coi­sa, não sen­do nada, enga­na-se a si mes­mo. Mas pro­ve cada um a sua pró­pria obra, e terá gló­ria só em si mes­mo, e não nou­tro. Por­que cada qual leva­rá a sua pró­pria carga.

(Gála­tas 6:3 – 5)

Por fim, deci­di ten­tar con­tar a his­tó­ria de minha vida com inten­ções comer­ci­ais SIM : caso gos­tem do con­teú­do e isso venha a se tor­nar um livro, COMPREM, pois essa é a úni­ca vida que tenho para poder con­tar a his­tó­ria e pode ser que aca­be anga­ri­an­do recur­sos tan­to que auxi­li­em na sobre­vi­vên­cia — minha e de meus fami­li­a­res — quan­to que me per­mi­tam o tem­po para escre­ver outras coisas.

De qual­quer for­ma, que fique bem cla­ro que ESSE CONTEÚDO NÃO É O EVANGELHO (que publi­co nes­se outro site), pois sou mui­tís­si­mo sério em rela­ção a ele e de for­ma algu­ma des­cum­pri­ria o que deter­mi­na sem dei­xar dúvi­da : “de gra­ça rece­bes­tes, de gra­ça dai”.

Me dá um “joi­nha”?
Gos­tou ? Me aju­de compartilhando…

Geovane Souza

Já fiz e faço tantas coisas que só criando um site para concentrar e apresentar essa variedade.

>
Creative Commons License
Except where otherwise noted, GeovaneSou, Eu Mesmo by Geovane Souza is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.