fbpx

HONRA ATÉFIM… E ALÉM.

Tem­po esti­ma­do de lei­tu­ra : 9 min

Assim que entra­mos na cape­la minha irmã logo per­ce­beu que Cris­to esta­va pre­ga­do na cruz… e para nós, espe­ci­al­men­te naque­le momen­to, era mui­to impor­tan­te a rea­fir­ma­ção de que a cruz está vazia : sob esse sím­bo­lo jazia, como se ape­nas dor­mis­se, o cor­po de nos­sa mãe.

Ain­da hoje é difí­cil expli­car o que sen­tia naque­le momen­to, pois minha sau­da­de era de uma pes­soa cuja per­so­na­li­da­de veio, ao lon­go dos anos, sen­do diluí­da por Alzhei­mer e Par­kin­son… e, razão de minha con­fu­são, tam­bém sen­tia alí­vio pelo des­can­so, dela e nos­so, após tan­to tem­po de luta, sofri­men­to e desgaste.

Naque­la manhã de segun­da-fei­ra a pri­mei­ra, e até então úni­ca, pes­soa pre­sen­te na cape­la era Maria, mãe de meu irmão Rogé­rio e espo­sa de meu pai até seus últi­mos dias : o res­tan­te da famí­lia ain­da demo­rou um pou­co para che­gar e, na ver­da­de, eu esta­va fun­ci­o­nan­do num “modo pilo­to auto­má­ti­co” e — revi­ven­do os pro­ce­di­men­tos nas tan­tas mor­tes que tes­te­mu­nhei — fui atu­an­do maqui­nal­men­te na área admi­nis­tra­ti­va daque­le momen­to amar­go, pois o sur­gi­men­to de algum cons­tran­gi­men­to no pro­ces­so do sepul­ta­men­to só tor­na­ria ain­da pior a dor da perda.

Mamãe par­ti­ra des­te mun­do no dia ante­ri­or, dei­ta­da em sua pró­pria cama, na sala da casa que eu e minha irmã con­se­gui­mos com­prar jus­ta­men­te para fugir do alu­guel que nos escra­vi­za­ra a vida intei­ra e poder pro­por­ci­o­nar algu­ma tran­qui­li­da­de, ao menos de mora­dia, nos dias de sua velhi­ce : até ten­ta­mos ati­var o SAMU para que hou­ves­se algum acom­pa­nha­men­to médi­co espe­ci­a­li­za­do nes­se momen­to, mas a des­pei­to de todos os meus esfor­ços — fui bus­can­do uni­da­des poli­ci­ais do Bair­ro Adrya­na até o West Shop­ping, na ilu­são de que um aci­o­na­men­to por rádio pudes­se ace­le­rar a che­ga­da da ambu­lân­cia —, esse trans­por­te nun­ca che­gou.
Mas, ver­da­de seja dita, não tinha mui­ta espe­ran­ça… mamãe já se entre­ga­ra, desis­ti­ra há mui­tos anos e seu inte­res­se pela vida não era per­da recen­te. Veio recu­san­do sis­te­ma­ti­ca­men­te todas as ati­vi­da­des que pro­pu­se­mos : do come­ço já não quis a fisi­o­te­ra­pia nem a pin­tu­ra de telas, mas na sequên­cia nem o esfor­ço da cama para a cadei­ra de rodas quis mais fazer… suge­ría­mos banhos de sol, mas nem ao banhei­ro e tomar seu pró­prio banho se for­ça­va, recain­do todo esse esfor­ço her­cú­leo sobre minha irmã, a peque­na Gesil­da, sozinha.

Eu, filho homem, não fui capaz de lidar com o cons­tran­gi­men­to das roti­nas higi­ê­ni­cas de minha mãe, mas me empe­nhei, o tem­po intei­ro que pude, a todo o tipo de apoio pos­sí­vel : meu pai já não mora­va a eras conos­co, meu irmão mor­re­ra assas­si­na­do em 1991 e, eman­ci­pa­do aos 16 anos quan­do ingres­sei na For­ça Aérea, res­tou eu como “arri­mo de famí­lia” des­de meus 18 anos.
Mamãe era minha depen­den­te e eu levei isso mui­to a sério por toda a sua exis­tên­cia, mas um aci­den­te em 2014 trou­xe um impe­di­men­to : na cirur­gia da fra­tu­ra expos­ta, minha des­tra ini­ci­al­men­te per­deu a motri­ci­da­de quan­do seu ner­vo radi­al foi pin­ça­do e pas­sei meses até con­se­guir recu­pe­rar os movi­men­tos, mas a capa­ci­da­de de car­ga… essa ficou tão com­pro­me­ti­da que nem meus filhos con­si­go car­re­gar no colo do lado direi­to, quan­to mais sus­ten­tar os cen­to e pou­cos qui­los de minha mãe numa trans­fe­rên­cia entre cama e cadei­ra de rodas !

LIÇÃO

Aliás, uma das lições mais impor­tan­tes que apren­di em toda a minha vida acon­te­ceu jus­ta­men­te duran­te a recu­pe­ra­ção da minha “mão boba”: após meses de tipóia e já come­çan­do a apren­der a escre­ver com a esquer­da, um cer­to dia, na fisi­o­te­ra­pia, uma dor lan­ci­nan­te bro­tou em meu ante­bra­ço e, atô­ni­to, gri­tei pedin­do que paras­se o exer­cí­cio por pen­sar que o osso iria rom­per a pele e ficar expos­to nova­men­te, mas a sábia dou­to­ra me tran­qui­li­zou com a lição mais impor­tan­te que com­par­ti­lho aqui :

— Se está doen­do é por­que está rea­gin­do :
se esti­ves­se mor­to e sem espe­ran­ças, não sen­ti­ria mais dor !

E, real­men­te, daque­le momen­to cru­ci­al em dian­te foi ini­ci­a­do um pro­ces­so de con­va­les­cen­ça pra­ti­ca­men­te mira­cu­lo­so : pri­mei­ro meu pole­gar con­se­guiu fazer peque­nos movi­men­tos, que fica­ram mai­o­res até que a mão intei­ra recu­pe­rou a fun­ção moto­ra… e é com ela que estou digi­tan­do, nor­mal­men­te, tudo isso !
Fiquei tão ani­ma­do e logo vi que aque­le tam­bém era um cami­nho pos­sí­vel para minha mãe, que che­ga­va a ber­rar recla­man­do da dor em suas ses­sões de fisi­o­te­ra­pia. E nós, filhos amo­ro­sos, pre­o­cu­pa­dos e pro­te­to­res, pedía­mos que nos­sa que­ri­da ami­ga Elai­ne, pro­fis­si­o­nal da área, ime­di­a­ta­men­te paras­se… e se sin­to algu­ma cul­pa hoje, tal­vez seja a de nun­ca tê-la impe­li­do a supor­tar a dor enquan­to era tem­po, enquan­to tínha­mos recur­sos para cus­te­ar as ses­sões, enquan­to a estru­tu­ra cor­po­ral dela não havia se atro­fi­a­do de for­ma tão gene­ra­li­za­da.
Minha empol­ga­ção des­va­ne­ceu e cons­ta­tei que, mes­mo ain­da ten­do algu­ma capa­ci­da­de, minha mãe deli­be­ra­da­men­te pre­fe­ria ser total­men­te auxi­li­a­da a rea­li­zar coi­sas que, com algum esfor­ço, pode­ria exe­cu­tar por si pró­pria : na cabe­ça dela essa depen­dên­cia com­ple­ta, sem con­si­de­rar o des­gas­te extre­mo de quem a auxi­li­a­va, era tan­to uma demons­tra­ção de cari­nho quan­to uma obri­ga­ção… e, crei­am, ela até real­men­te se ofen­dia quan­do falá­va­mos para que se esfor­ças­se um pou­co !
Será que se ela tives­se topa­do se esfor­çar… ain­da esta­ria por um pou­co mais de tem­po conosco ?

Tudo quan­to te vier à mão para fazer, faze‑o con­for­me as tuas for­ças, por­que na sepul­tu­ra, para onde tu vais, não há obra nem pro­je­to, nem conhe­ci­men­to, nem sabe­do­ria alguma.”

(Ecle­si­as­tes 9:10)

Hoje só me res­ta a recor­da­ção do qua­dro : ela dei­ta­da na cama e, sem noção de espa­ço, pedin­do para que eu (sem for­ça no bra­ço) a ajei­tas­se de um jei­to, mas cin­co minu­tos depois já que­ria de outro…
Eu pega­va em sua mão, leva­va até as gra­des da cama e dizia :
— Mãe, a senho­ra está dei­ta­da e não cor­re ris­co algum de nada. Então segu­ra aqui na gra­de e vai se ajei­tan­do deva­gar­zi­nho, pois Zil­da está mui­to ocu­pa­da e eu tenho que ir embo­ra.
Ela fica­va zan­ga­da e eu fazia que tinha saí­do, mas fica­va escon­di­do olhan­do ela ir se ajei­tan­do até con­se­guir encon­trar, sozi­nha uma posi­ção de onde não recla­ma­va mais… aí eu apa­re­cia, fala­va qual­quer coi­sa e fica­va tudo bem.
Por favor, não me con­de­nem, pois esse era o úni­co jei­to onde con­se­guia que ela fizes­se algum míni­mo esfor­ço físi­co…
Se de quan­do ela ain­da esta­va entre nós já fica­va emo­ci­o­na­do ao me depa­rar com qual­quer ido­so se esfor­çan­do, cami­nhan­do (mes­mo que len­ta­men­te), ago­ra pas­sei a pedir a Deus que recom­pen­se aque­la ati­vi­da­de com o pro­lon­ga­men­to da vida… e é por isso que eu não paro !

ETERNAMENTE INSTANTÂNEO

A aten­den­te ficou sem com­pre­en­der direi­to nos­sa soli­ci­ta­ção por um cru­ci­fi­xo vazio, mas foi solí­ci­ta ao remo­ver aque­la ima­gem onde esta­va um cor­po pre­so à cruz… e a cape­la ficou sem nenhum íco­ne reli­gi­o­so até o final.
Será que não exis­te cru­ci­fi­xo sem bone­qui­nho cadáver ?

Aliás, essa ques­tão reli­gi­o­sa é total­men­te estra­nha quan­do as pes­so­as não estão pron­tas para res­pei­tar as con­vic­ções alhei­as : eu, que creio em Deus e Cris­to glo­ri­o­sa­men­te res­sur­re­to, dei­xei de ficar asse­di­an­do pes­so­as a crer nas mes­mas coi­sas que eu des­de que enten­di que não é meu papel con­ven­cer as pes­so­as do peca­do, da jus­ti­ça e do juí­zo ! Vivo de for­ma que minhas ações sejam meus tes­te­mu­nho e pre­ga­ção… no máxi­mo aca­bo trans­cre­ven­do uma ou outra pas­sa­gem bíbli­ca (isso por­que a fé genuí­na só pode vir atra­vés da pala­vra de Deus), porém não tenho mais paci­ên­cia para entrar em con­ten­da com nin­guém e espe­ro ser com­pre­en­di­do em minha reso­lu­ção de não me cur­var peran­te nenhum outro deus… nem para ser sim­pá­ti­co : a isen­ção é meu res­pei­to pela pes­soa, pois há quem não pro­fes­se a mes­ma fé que eu e se com­por­te com mui­to mais dig­ni­da­de do que alguns cachor­ros e cade­las que se apre­sen­tam como “irmãos”!
Enfim, no veló­rio da minha mãe teve gen­te que­ren­do tra­zer padre para rezar ao lado do cor­po, gen­te que­ren­do dis­tri­buir revis­ti­nha dos tes­te­mu­nhas de Jeo­vá… e é nes­sas horas que o aba­lo da emo­ção pode levar quem não tem conhe­ci­men­to nem con­vic­ção na pró­pria fé a pular no dis­cur­so que pare­ça mais afe­ti­va­men­te aco­lhe­dor : lem­bro per­fei­ta­men­te de que, quan­do meu irmão mor­reu (um ano após o estron­do­so lan­ça­men­to de “Ghost”), ganhei e li o evan­ge­lho de Kar­dec de cabo a rabo !

Uma nota intri­gan­te é que entre os dias 1018 de novem­bro, com minha mãe ain­da viva, por diver­sas noi­tes eu sonhei que ain­da tinha for­ça nos bra­ços e a con­du­zia numa cadei­ra de rodas até as por­tas de um tipo de “hos­pi­tal-cas­te­lo” mui­to bran­co e ilu­mi­na­do : ao mes­mo tem­po em que sor­ria, ela dizia estar inse­gu­ra de entrar ali… e, não sei por­que, eu sabia que ali ela vol­ta­ria a andar… que ela vol­ta­ria a ser a Nair minha mãe ser­va de Deus que me ensi­nou mui­to de tudo o que sou !
Na ter­ça-fei­ra, dia 19 de novem­bro de 2019, assim que saí de uma con­sul­ta médi­ca no HAAF, fui dire­to até sua casa e, sem mui­tas expli­ca­ções nem con­si­de­rar que dor­mia por cau­sa de um cal­man­te, segu­rei suas mãos e fui falando :

Mãe, a senho­ra ain­da está aí, né ? Eu sei que a senho­ra está me ouvin­do e eu pre­ci­so te falar do sonho que tive : a senho­ra não pre­ci­sa ter medo de nada, pois há um lugar mui­to lin­do onde você vai ser cura­da de tudo!”

Ela rea­giu e eu con­ti­nu­ei, subi­ta­men­te reves­ti­do com uma cer­te­za total­men­te inco­mum, senão imprópria :

Mãe, logo a senho­ra vai estar dian­te de Deus e vai poder con­tem­plá-lO face a face ! Eu não vou fazer dis­cur­so dian­te de cadá­ver em cai­xão por­que estou fazen­do pra você aqui e ago­ra : eu te amo, minha mãe !
A des­pei­to de ter fica­do decep­ci­o­na­do e zan­ga­do quan­do foi desis­tin­do de fazer as coi­sas e de ter ten­ta­do deses­pe­ra­da­men­te te fazer rea­gir, eu te amo por­que a senho­ra sem­pre foi minha melhor ami­ga e sem­pre quis o melhor pra mim.
Pode des­can­sar que hoje eu sou o pai dos seus netos e estou ten­tan­do cui­dar deles e da minha espo­sa da melhor for­ma pos­sí­vel… e da minha irmã tam­bém : quan­do a senho­ra esti­ver dian­te de Deus, por favor fale com Ele que eu ten­to ser hon­ra­do e exem­plar… e que mes­mo falhan­do eu O amo e res­pei­to mais do que tudo… e que espe­ro um dia ter a hon­ra de com­ple­tar o “tra­to” que tenho com Ele.
Eu sei que Ele ouve as ora­ções, mas eu nun­ca tive a pers­pec­ti­va de man­dar um reca­do tão pes­so­al… então a senho­ra pode des­can­sar, pode ficar em paz que sua mis­são foi cum­pri­da, que sua luta já ter­mi­nou e que eu vou ficar aqui e fazer o melhor pos­sí­vel para hon­rar a sua memó­ria.
Eu te amo, minha mãe.”

Minha irmã, que ouviu tudo, se espan­tou e curi­o­sa­men­te con­tou que havia uma sema­na, lá na casa dela, minha mãe vinha ten­do o sono con­tur­ba­do e cha­man­do pelo meu nome duran­te a madru­ga­da.
Não quis ficar pen­san­do nis­so e nem ali : me virei, saí… e tenho pra mim que essa foi a últi­ma vez que falei, de fato, com minha mãe.

https://​www​.face​bo​ok​.com/​N​a​i​r​L​o​p​e​s​D​i​n​i​z​/​v​i​d​e​o​s​/​671197533411516/

No domin­go, dia 24 de novem­bro de 2019, após ter ten­ta­do de todas as for­mas aci­o­nar uma ambu­lân­cia, retor­nei até a casa de minha irmã e sen­tei na varan­da para tomar uma xíca­ra de café e um pão com man­tei­ga, pois des­de as 6:15 esta­va envol­vi­do nes­sa tare­fa e, gas­tro­plas­ti­za­do, pode­ria pas­sar mal com o estô­ma­go vazio.
Não me per­gun­tem a razão, mas não me sen­ti à von­ta­de para entrar na sala e, como nor­mal­men­te fazia, comer ao lado de minha mãe.
Pou­co antes das 8 come­cei a sen­tir um frio total­men­te inco­mum e, ain­da na expec­ta­ti­va da che­ga­da do SAMU, deci­di ir até minha casa para pegar um casa­co e dei­xar a espo­sa com as cri­an­ças na igre­ja : foi o tem­po de parar o car­ro em meu por­tão e minha irmã ligar dizendo…

MAMÃE PARTIU

Lem­bro com per­fei­ção do sar­gen­to Cabral falan­do, numa aula de regu­la­men­to da 1ª série da Esco­la de espe­ci­a­lis­tas de Aero­náu­ti­ca, que quan­do nos tor­na­mos mili­ta­res esta­mos garan­tin­do a tran­qui­li­da­de de nos­sas espo­sas, filhas e mães até o dia da mor­te delas !
Como aque­le momen­to ficou gra­va­do em minha memó­ria : da sala onde a aula foi dada até a ento­na­ção e a expres­são faci­al de meu, então, sar­gen­te­an­te.
Foi dis­so que me lem­brei quan­do a FHE POUPEX se recu­sou — legal­men­te e com base numa sór­di­da mano­bra admi­nis­tra­ti­va recen­te­men­te imple­men­ta­da — a pres­tar o apoio espe­ra­do : a FAB vai me ampa­rar nes­se momen­to dolo­ro­so com o auxílio-funeral !

Não sei se algum lei­tor teria essa capa­ci­da­de, mas com o cor­po de minha mãe na sala de casa eu não tive san­gue frio para sair de fune­rá­ria em fune­rá­ria fazen­do cota­ção de remo­ção e cai­xão : liga­mos logo para o local onde temos jazi­go e ati­va­mos o ser­vi­ço com­ple­to, da remo­ção até a lápide.

Tenho de agra­de­cer à Pri­mei­ra Igre­ja Batis­ta de Cam­po Gran­de, que via­bi­li­zou o médi­co legis­ta que emi­tiu o ates­ta­do de óbi­to.
Tenho que agra­de­cer à minha pri­ma, enfer­mei­ra Loui­se, que foi até a casa do legis­ta para ele reti­fi­car um erro de pre­en­chi­men­to ocor­ri­do na lei­tu­ra equi­vo­ca­da de um docu­men­to… e atra­vés des­sa cor­re­ção pos­si­bi­li­tar a remo­ção do cor­po.
Tenho que agra­de­cer a todos que se fize­ram pre­sen­tes e demons­tra­ram seus sen­ti­men­tos, tan­to em casa quan­to no cemi­té­rio, mas tal­vez seja neces­sá­rio con­tar que mui­to pre­zei por seus abra­ços emo­ci­o­na­dos, mas, sur­do, nada pude com­pre­en­der quan­do fala­vam bai­xo sem que eu pudes­se visu­a­li­zar suas bocas.

Enfim, às 15 o cor­po foi remo­vi­do ; antes das 17 aque­la cama de metal onde ela havia pas­sa­do os últi­mos anos já esta­va fora de casa e em algum lugar des­co­nhe­ci­do para nun­ca mais ser vis­ta ; antes das 20 todas aque­las rou­pas e panos que ela usa­va já esta­vam ensa­ca­dos para doa­ção ou qual­quer des­ti­no que não per­to de nós ou às nos­sas vis­tas.
Às 10 do dia 25 ini­ci­ou-se o veló­rio e às 15:30h hou­ve o sepultamento.


Qui­se­ra eu encer­rar aqui esse rela­to, mas no dia 26 vi se abrir o mai­or abis­mo que já este­ve sob meus pés : pre­o­cu­pa­do por ter estou­ra­do o limi­te de meu car­tão de cré­di­to, ama­nhe­ci o dia 26 cor­ren­do até a For­ça Aérea com a docu­men­ta­ção para poder soli­ci­tar o auxí­lio-fune­ral, mas a infor­ma­ção que rece­bi qua­se me fez desmaiar !

Sua mãe é sua depen­den­te “AMHC” e tem um ano que a lei mudou : só tem direi­to a auxí­lio-fune­ral os depen­den­tes “AMH”.

Em outras pala­vras : QUE SE DANE!!

Pela pri­mei­ra vez na vida eu tive que pedir esmo­la e se não fos­se a boa von­ta­de de alguns irmãos de far­da (e de uma ami­ga sur­da em par­ti­cu­lar) eu e minha famí­lia tería­mos pas­sa­do neces­si­da­de em dezem­bro de 2019 !

Enfim, aqui encer­ro ape­nas esse epi­só­dio, por­que a his­tó­ria con­ti­nua e. modés­tia à par­te, é deve­ras inte­res­san­te… porém real­men­te pre­ci­so mui­to de dinhei­ro e des­de que fiquei sur­do não têm sur­gi­do mui­tas opor­tu­ni­da­des em even­tos : tal­vez a pró­xi­ma his­tó­ria seja a de como pas­sei em pri­mei­ro lugar num con­cur­so públi­co e de como, pro­va­vel­men­te, mais uma vez meu vín­cu­lo com a For­ça Aérea venha pre­ju­di­car em minha luta para sair des­sa con­di­ção finan­cei­ra ridí­cu­la em que me encontro.

Sin­to, sim, mui­tas sau­da­des de minha mãe e, deses­pe­ra­do por não ter con­se­gui­do ins­pi­rá-la a resis­tir e enfren­tar as dores e desa­fi­os, pros­si­go eu pró­prio ten­tan­do ins­pi­rar e levan­tar outras pes­so­as, pois ao fazer isso eu pró­prio tam­bém sou inspirado.

Mui­to obri­ga­do por ter lido e seus comen­tá­ri­os, rea­ções e com­par­ti­lha­men­tos podem me aju­dar a con­se­guir algum recur­so a mais… quem sabe ?

Me dá um “joi­nha”?
Gos­tou ? Me aju­de compartilhando…
  • 11
  • 11
    Sha­res

Geovane Souza

Já fiz e faço tantas coisas que só criando um site para concentrar e apresentar essa variedade.

  • Gilmar Bento Machado disse:

    É, meu ami­go, fico emo­ci­na­do ao ler esse rela­to. Sei de suas difi­cul­da­des e da sua luta nos últi­mos anos. Vc sem­pre foi um guer­rei­ro, uma das pes­so­as mais cor­re­tas q conhe­ci na vida. Às vezes, real­men­te é mui­to difí­cil encon­trar expli­ca­ções para tudo q acon­te­ce em nos­sas vidas. Melhor é seguir em fren­te lutan­do e acre­di­tan­do nos desíg­ni­os de Deus. Sin­to mui­to sua fal­ta. Sem­pre gos­tei de con­ver­sar con­ti­go. Sei q atu­al­men­te é difí­cil, mas há vári­as for­mas de “con­ver­sar­mos”. Espe­ro que fique bem ao lado de sua famí­lia lin­da. Gran­de abra­ço, meu amigo!!!

  • >
    Creative Commons License
    Except where otherwise noted, GeovaneSou, Eu Mesmo by Geovane Souza is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.
    %d blogueiros gostam disto: